PÚBLICO EM GERAL
AUTONOMIA DA PROFISSÃO ODONTOLÓGICA - A profissão de Cirurgião-Dentista no Brasil é regida pela Lei Federal no. 5.081/1966. É legalmente independente e somente ao Cirurgião-Dentista cabe exercê-la. Durante sua formação inicial, o estudante de Odontologia recebe os conhecimentos anátomo-fisiológicos e psico-sociais gerais para compreender e lidar com o ser humano; a seguir, concentra-se no estudo das estruturas e funcionamento da cavidade oral e suas relações sistêmicas, uma vez que esta, é parte inseparável do organismo humano. Por motivos e modelos variados, houve a separação legalizada do curso de Odontologia, com formação específica, fato pelo qual nenhum outro profissional da saúde, nem mesmo o médico, independente da especialidade cursada, está habilitado a exercer os procedimentos pertinentes tão somente ao Cirurgião-Dentista, sob pena de serem enquadrados na contravenção penal do exercício ilegal da profissão odontológica. (ver a lei...)

COMO E PORQUE SURGE A ESPECIALIDADE DE ODONTOLOGIA DO TRABALHO - A preocupação para com a Saúde Bucal, nos ambientes de trabalho, esteve voltada aos aspectos assistenciais, tanto por parte dos empregadores, sindicalistas e trabalhadores. Sua importância relacionada ao aspecto ocupacional limitava-se à atenção dada por alguns profissionais médicos, que ao examinarem a "garganta", davam uma "passada de olhos" nos dentes, alertando o examinado sobre alguma situação muito grave. Todavia, a junção desta falta de atenção específica, associada ao assistencialismo curativista, mostrou-se incapaz de atuar na prevenção e promoção da Saúde Oral, fazendo com que alguns Cirurgiões-Dentistas, mesmo não inseridos oficialmente nos SESMTs de algumas empresas e instituições, passassem a dar atenção aos impactos que a Saúde Oral provocavam no Saúde Sistêmica, Segurança no Trabalho e Eficiência na Produção. A partir desta nova visão, a especialidade de Odontologia Ocupacional foi sendo desenhada e, finalmente, reconhecida pela Resolução CFO N°022/2001, seguida da Resolução CFO N° 025/2002, a qual disciplinou as competências das novas especialidades. Sua implantação nas empresas ainda é tímida e facultativa, pois depende de alteração na legislação relativa à saúde do trabalhador e maior divulgação sobre as vantagens obtidas com a sua prática. Mais Detalhes...

SAÚDE ORAL - ALGO ALÉM DOS DENTES - Culturalmente, citou-se "Dentista", de imediato pensa-se em dentes. Talvez o título mais adequado para nossa profissão fosse Estomatologista (aquele que estuda o estômato ou "a boca"). Na prática, a maioria, inclusive os próprios profissionais, omitem o termo Cirurgião (aquele que diagnostica ou trata através de operações manuais), levando ao equívoco e limitação das responsabilidades imputadas ao profissional formado em Odontologia. Uma das preocupações da Odontologia do Trabalho é a de divulgar os papéis que nossa cavidade oral representam em nossas vidas, assim como, propagar as responsabilidades dos Cirurgiões-Dentistas quanto à prevenção e promoção das condições orais saudáveis, relacionando-as às ocupações e atividades humanas, com maior ênfase, aos processos produtivos e qualidade de vida. Veja ilustração!